saúde

Evite a frutose e mantenha o peso


Emagreça com Saúde!

O excesso desse açúcar originário das frutas faz você engordar ao cometer qualquer deslize

por ana paula pereira

Página 1 de 1

Não quer ver ponteiro da balança subir de uma hora para a outra? Então, comece a controlar o seu consumo de frutose, presente aos montes em alguns sucos industrializados, por exemplo. Segundo pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade da Flórida, em Gainesville, nos Estados Unidos, o excesso desse açúcar vindo das frutas deixaria seu corpo resistente à ação de um hormônio que tem tudo a ver com a prevenção da obesidade: a leptina.

Essa substância é responsável pelo delicado equilíbrio entre a fome, quer dizer, a necessidade de obter energia para viver e a quantidade de calorias que seu corpo efetivamente gasta. Se tudo está bem, sua fome deve ter a mesma proporção que seu gasto energético. O apetite de leão de um adolescente, por exemplo, é coerente com o consumo de energia do seu corpo em franco desenvolvimento.

“Quando a resistência à leptina aparece, basta ingerir um pouco mais de gordura do que o ideal ou exagerar nas calorias durante um período, por exemplo, para você ganhar muitos quilos extras”, resume a fisiologista Alexandra Shapiro, uma das líderes do trabalho, que foi feito em ratos e que saiu publicado no jornal da American Physiological Society há poucos dias.

“Nossa aposta é de que o organismo humano se comporta do mesmo jeito que o das cobaias”, diz ela.” E, se estivermos certos, o fenômeno da resistência à leptina é insidioso. Isso porque, ao contrário do que se imaginava, quem começa a resistir ao hormônio não vai ganhando peso aos poucos e, sim, muito depressa. É como se o problema hormonal se desenvolvesse silenciosamente para, em um belo dia, pregar um susto em você diante do espelho.”

Se você quer evitar más surpresas como essa, preste atenção na frutose. “Não, ninguém está recomendando que as pessoas comam menos frutas”, esclarece Alexandra Shapiro. “A idéia é que fiquem de olho nos rótulos dos alimentos industrializados”, sugere. Faz sentido. Esse açúcar natural é acrescentado pela indústria em um sem-número de produtos, como sucos, doces, geléias...E em quantidades razoáveis, diga-se.

Na experiência realizada por Alexandra Shapiro e seus colegas, ratos de laboratório foram divididos em dois grupos. Um deles passou a receber uma dieta cheia de frutose. O outro consumia o mesmo número de calorias que o primeiro time, mas não havia frutose em sua ração. Passados seis meses, todos os roedores foram pesados. E não, a média de peso dos dois times não foi muito diferente. Mas, feitos alguns exames de sangue, ficou claro: a turma da frutose estava resistente à leptina, embora isso não se refletisse na balança. Em seguida, os mesmos ratos receberam uma alimentação bem engordativa. E quais foram as cobaias que caíram de boca e ganharam peso depressa? Você já sabe a resposta.

“É a primeira vez que uma pesquisa prova a relação entre um alimento específico e esse fenômeno hormonal”, chama a atenção a fisiologista. “Uma das possíveis explicações seria o aumento dos triglicérides, um tipo de gordura que aumenta demais quando ingerimos muito açúcar”, diz ela. Há suspeitas de que taxas elevadas de triglicérides não deixariam a leptina funcionar direito no cérebro, que é seu território de atuação.

Outros estudos precisam ser realizados para apontar se, dimuindo a frutose consumida no dia-a-dia, a leptina agiria de maneira mais intensa. Pelo sim, pelo não, vale maneirar em todos os produtos industrializados adoçados com frutose. Quanto às frutas, seu consumo é seguro. O ideal continua sendo consumir de duas a três unidades diariamente para emagrecer de um jeito mais doce e saudável.
 se quiser saber sobre a dieta dos pontos acesse:http://saude.abril.com.br/especiais/dieta_pontos/
        

Nenhum comentário:

Postar um comentário